Como dominar e vencer suas inseguranças

Todos temos uma auto-crítica interna.

Essa voz incômoda na cabeça constantemente nos diz que de todas as maneiras estamos falhando e decepcionando as pessoas. Essa voz sorrateira finge que está nos protegendo do fracasso quando, na verdade, está atrapalhando.

Em meus 15 anos de trabalho como professora e psicoterapeuta, Cynthia Catchings, LCSW-S, observou como as inseguranças das pessoas os afetam em diferentes ambientes.

“Nos últimos anos, as inseguranças mais comuns das pessoas permaneceram consistentes”, compartilha Catchings. “Aparência física, introversão, medo de não se encaixar, síndrome do impostor e medo de rejeição são alguns dos mais típicos.”

As pessoas pensarão que sou uma fraude?

Isso é algo que eu podemos acabar nos perguntando o tempo todo. Não importa o quanto estejamos preparados para uma reunião, ou qual a qualificação para uma oportunidade de negócio. Sempre há uma voz em nossa cabeça que sussurra “Você não pode fazer isso” ou “Por que alguém deveria levá-lo a sério?”.

A síndrome do impostor pode aparecer como uma onda de ansiedade quando entramos em uma sala. Imediatamente podemos sentir que não pertencemos a ela – como se fossemos um “impostor”. De repente, podemos ser tomados de dúvidas e convencidos de que todos são mais inteligentes e mais capazes que nós mesmos.

Pesquisas descobriram que pessoas com alto desempenho muitas vezes experimentam a síndrome do impostor porque estão constantemente buscando a perfeição. Assim, temem que os outros descubram que não fizeram o suficiente. É um ciclo vicioso que faz com que até mesmo as pessoas mais brilhantes e talentosas se sintam como fraudes.

“O primeiro passo para trabalhar a síndrome do impostor, é ajudá-los a reconhecer seus pensamentos e colocar [esses pensamentos] em perspectiva”, disse Catchings. “Utilizar uma abordagem terapêutica comportamental cognitiva é muito útil nesses casos. Isto ajuda a pessoa a observar o pensamento e pensar sobre isso em vez de se envolver com ele.”

A autocrítica nos faz melhor?

A crítica interior pode se tornar uma parte tão presente na vida que muitas vezes nós mesmos deixamos passar. Quem poderia dar aquele empurrão para alcançar os objetivos se o nosso eu crítico interno parasse de incomodar?

Ao contrário da crença popular, a pesquisa mostra que a autocompaixão é um melhor motivador da mudança do que a autocrítica. Em vez de se criticar por algo errado, a autocompaixão permite que você avalie a situação de maneira segura e sem julgamento. Desta forma podemos aprender e crescer sem nos afogar em um mar de vergonha.

Para os clientes especialmente autocríticos, há a técnica de ressignificação cognitiva.

“A ideia básica é aprender a ver pensamentos, idéias, conceitos e emoções como experiências de aprendizado. Assim, podemos encontrar maneiras mais positivas de ver ou aceitar a situação”, explicou Catchings. “Isso leva a confiar em sua sabedoria interior e, consequentemente, a viver uma vida mais feliz.”

Como calar seu crítico interno

Há uma variedade de ferramentas para ajudar a aquietar sua crítica interior e aproveitar seus próprios instintos, incluindo:

  • Auto-consciência
  • Meditação
  • Mindfulness
  • Visualização criativa
  • Desenvolvimento de empatia

“Essas atividades ajudam a melhorar suas críticas internas ou outras vozes que lhes dizem que não podem fazer algo. Assim, pode-se permitir reconhecer, analisar as inseguranças”, disse Catchings. “O uso da terapia cognitivo-comportamental, baseado em “se mudarmos nossos pensamentos, podemos mudar nossas ações”, é extremamente útil para aquietar o nosso crítico interior também.”

Mais autoconfiança

Encontrar um terapeuta é um ótimo primeiro passo se você quiser apoio para entender suas inseguranças. Aqui estão alguns recursos  se você estiver procurando ir mais fundo:

A próxima vez que essa voz familiar em sua cabeça tentar criticar você: 1) Respire fundo, 2) Dê um abraço a si mesmo e 3) Lembre-se de que todos estivemos lá.

Sussurre para si mesmo: eu sou incrível.

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/overcome-your-insecurities/
Escrito por: Elizabeth Su

Precisa de ajuda? Consulte um de nossos psicólogos online da 99psico.

Estou com depressão?

Estou com depressão?

A pergunta nem sempre tem uma resposta clara, especialmente porque os sintomas da depressão podem variar de pessoa para pessoa. Como a depressão se...