Entendendo o Suicídio

As taxas de suicídio aumentaram nos últimos vinte anos e acabou se tornando um tópico amplamente abordado na mídia.

Muitos sociólogos e epidemiologistas atribuem taxas crescentes de suicídio, pelo menos parcialmente, às variáveis ​​econômicas. As taxas de suicídio muitas vezes aumentam em tempos de incerteza econômica. Isso faz com que as pessoas se sintam mais assustadas e sem esperança.

Do ponto de vista pessoal, as pessoas têm muitas dúvidas sobre o suicídio. Muitos se perguntam se os entes queridos estão em risco de suicídio e quais fatores contribuem mais para pensamentos e comportamentos suicidas. Outras pessoas experimentaram a perda de um ente querido que se suicidou, e estão lutando com o luto e processamento desta perda. Outros se perguntam mais filosoficamente sobre o suicídio: é inerentemente um ato egoísta? Como podem os outros, que não são suicidas, entender este impulso?

Fatores que Contribuem para o Suicídio

Os fatores que contribuem para o suicídio são variados. Existem certos distúrbios, como o bipolar, que aumentaram as taxas de suicídio. O abuso de substâncias é também um fator importante. Questões ambientais, como problemas em um relacionamento, também deixam as pessoas mais propensas à este ato. No entanto, nenhum fator é o único responsável por causar suicídio. Há uma interação complexa de variáveis ​​que entram em jogo, incluindo saúde mental, quanto apoio um indivíduo tem, estressores ambientais e quais substâncias estão sendo usadas.

Curiosamente, o uso de substâncias não se refere apenas a drogas e álcool. Muitos estudos indicam uma ligação entre o uso de antidepressivos e pensamentos suicidas. Pode ser que os antidepressivos aumentem os níveis de energia antes que eles afetem os pensamentos e sentimentos depressivos. No entanto, os dados podem ser confusos e contraditórios. Certos antidepressivos parecem ter uma correlação mais alta com comportamentos violentos e suicidas do que outros.

Discutindo o suicídio com jovens

Explicar o suicídio para as crianças pode ser difícil. É difícil para as crianças entenderem por que um ente querido (ou figura pública) tiraria a própria vida. Em primeiro lugar, é necessário explicar algo sobre a depressão, equiparando-a a uma doença física ou médica. Por exemplo: pode-se dizer a uma criança que, quando alguém está deprimido, seu cérebro faz com que ela sinta pensamentos negativos e sem esperança. Embora uma pessoa realmente tenha muitas coisas boas em sua vida, seu cérebro deprimido faz com que pensem que continuarão se sentindo mal.

Certifique-se de enfatizar para uma criança que um ente querido ainda a amava, mas eles se sentiram tão mal que não conseguiram ver uma saída. Diga como que outras coisas podem ajudar. Eventualmente, se a criança se sentir triste, poderia ir à terapia ou tomar uma medicação.

O suicídio é um ato egoísta?

Infelizmente, algumas pessoas consideram o suicídio como um ato egoísta. Isto pode estar relacionado a como o suicídio é discutido em certas religiões. No entanto, para alguém que está deprimido ou se sente extremamente sem esperança, sua tentativa suicida está longe de ser egoísta.

Muitas vezes, essas pessoas acham que seus entes queridos ficariam muito melhores sem eles por perto. Eles não podem imaginar um mundo em que eles não estão em dor infinita, e eles não acreditam que eles trazem algum valor para aqueles ao seu redor. Isso explica por que os pais cometem suicídio apesar de amarem seus filhos imensamente.

Buscando ajuda para aqueles com ideações suicidas

Compreender o suicídio pode ser difícil, mas é essencial ser empático e não julgar aqueles que lutam com pensamentos suicidas. Se você ou um ente querido estiver passando por pensamentos ou sentimentos suicidas, você não está sozinho. Não tenha medo de pedir ajuda. A terapia pode ser extremamente útil para mostrar às pessoas que as coisas nunca são tão desesperadoras quanto parecem.

Fonte: https://www.talkspace.com/blog/attempting-to-understand-suicide/#more-10044
Escrito por: Dr. Samantha Rodman

Se estiver com problemas, pode contar com os psicólogos online da 99psico. Estamos aqui para ajudar.