Somatização | Por Marise Peret de Almeida

Segundo Freud: “Os sentimentos que se agitam dentro de nós nem sempre cruzam o limiar da consciência”. Isso ocorre por inúmeros fatores e cria limites. O que eu gostaria de abordar agora é a dificuldade que as pessoas têm em perceber-se, identificar-se, e como isso pode dificultar quando o objetivo é o autoconhecimento e o desenvolvimento de habilidades para se mover diante dos impasses, da vida.

Quando se pergunta a alguém: “O que você está sentindo agora?”. A confusão mental é percebida de imediato. A reação na maioria das vezes é a mesma. As pessoas conseguem dizer prontamente o que estão pensando, mas não o que estão sentindo. A dificuldade pode ser a de colocar em palavras, nomear esses sentimentos, ou de se deixar viver, expressando em emoções. Sentir, perceber por meio dos sentidos. Esses bloqueios evem ser trabalhados em terapia; é como se estivéssemos diante de um obstáculo que impede a correnteza natural do rio. Cada sentimento tem seu valor e significado.

Outro fator a ser considerado é que o ser humano não pode fragmentar-se em corpo e mente, mas deve se fazer presente como “corpomente”. Uma pessoa que procura ajuda médica se queixando de vagos sintomas, pode estar diante de uma confusão de sentimentos não expressos que se manifestam  fisicamente; é o que chamamos de somatização.

Somatizar, transformar conflitos psíquicos em problemas físicos, sintomas, adoecer. Por exemplo: “Estou sentindo palpitações, fiz vários exames médicos e nenhum problema foi identificado, mas continuo com palpitações frequentes e acho que posso morrer a qualquer momento …” Aqui, pode-se entender que é um provável quadro de ansiedade. Receba um sintoma como se fosse um mensageiro, se apresentando com a única finalidade de te chamar atenção, despertar! As doenças psicossomáticas são problemas físicos autênticos mas nasceram de problemas emocionais genuínos. Devemos atender a esse chamado, atingir as causas e não apenas tentar eliminar rapidamente os sintomas. Quando então se puder identificar os sentimentos por trás dos sintomas, estaremos diante de um ser que se percebe e se orienta para o presente, lugar este onde é possível mover-se frente às insatisfações, e teremos dado o primeiro passo rumo ao equilíbrio.

Não esqueça, cada sentimento tem seu valor e significado.

Marise Péret de Almeida – CRP:04/8952
Psicóloga Clínica e Hipnoterapeuta

Estou com depressão?

Estou com depressão?

A pergunta nem sempre tem uma resposta clara, especialmente porque os sintomas da depressão podem variar de pessoa para pessoa. Como a depressão se...