Verdades e mitos sobre o HIV

Apesar da ampla divulgação e campanhas sobre o HIV e AIDS no Brasil, muitas pessoas ainda possuem muitas dúvida em relação a esta temática. Essas dúvidas podem acabar gerando medos desnecessários, principalmente no que diz respeito à transmissão HIV, vírus responsável pela AIDS.

 Como o HIV é transmitido?

           O vírus da imunodeficiência humana (HIV), agente causador da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS), pode ser transmitido a partir de relações sexuais vaginais, anais e orais desprotegidas (relações heterossexuais e homossexuais); de mãe para filho através do parto e amamentação; transfusão de sangue contaminado e através do compartilhamento de agulha/seringa e instrumentos diversos (hospitalares, piercing, manicure) não esterilizados.

Esse vírus é responsável por atacar o sistema imunológico, sistema esse responsável por defender o organismo de doenças diversas. Apesar de não ter cura para a doença até o momento, esta possui tratamento que permite que a pessoa possa ter uma vida considerada normal.

 

Mitos sobre a transmissão do HIV        

As pessoas podem criar diversas fantasias sobre como de fato se pode transmitir ou adquirir o HIV, principalmente quando há envolvimento de fluídos corporais como a saliva e o suor. Com isso, muitos tabus acabam sendo construídos o que  pode levar à discriminação e exclusão de pessoas portadoras do vírus.  A seguir, estão listadas as formas pelas quais não se transmite ou adquire o vírus.

 O HIV NÃO é transmitido:

  • Pelo sexo, desde que se use a camisinha;
  • Masturbação a dois;
  • Beijo no rosto ou na boca;
  • Suor e lágrima;
  • Picadas de inseto;
  • Aperto de mão ou abraço;
  • Talheres ou copos;
  • Assento de ônibus;
  • Piscina;
  • Banheiros;
  • Pelo ar.

Onde procurar ajuda?

             Se você vivenciou alguma situação de risco que permita o contágio ou suspeita que pode ter adquirido o vírus é importante que procure ajuda o quanto antes. O diagnóstico precoce do HIV aumenta, e muito, a qualidade e de vida das  pessoas que vivem com o vírus.

            Os testes que detectam a presença do vírus são realizados de forma gratuita pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Você pode procurar pelos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA) da sua região, bem como orientações nas Unidades Básicas de Saúde.

 

Como o psicólogo pode ajudar as pessoas com HIV/AIDS?

             Receber a confirmação do HIV ou o diagnóstico de AIDS  pode gerar sentimentos de insegurança e perda de controle. Tais sentimentos podem impactar negativamente na adesão do tratamento medicamentoso. Sendo assim, um psicólogo pode ajudá-lo a enfrentar o medo de receber um possível diagnóstico, bem como o auxiliar na adesão do tratamento quando o diagnóstico for confirmado. 

            Além disso, pessoas diagnosticadas com HIV possuem riscos elevados de desenvolverem transtornos do humor, como é o caso da depressão, além de terem altas chances de manifestar sintomas de ansiedade, baixa autoestima, sentimentos de medo, culpa e raiva, levando ao desenvolvimento de comorbidades.

Deste modo, assim como é de extrema importância o tratamento farmacológico, também é necessário que se considere o tratamento psicológico, sendo este um aliado importante para garantir a qualidade de vida e bem estar de pessoas portadoras de HIV. O psicólogo irá te ajudar a se adaptar ao diagnóstico, aderir ao tratamento medicamentoso, conviver melhor com as implicações decorrentes da doença, reduzir sintomas ansiosos e depressivos, melhorar sua autoestima e construir redes de apoio.   

Estou com depressão?

Estou com depressão?

A pergunta nem sempre tem uma resposta clara, especialmente porque os sintomas da depressão podem variar de pessoa para pessoa. Como a depressão se...